“Olha bem. O caminho não é fácil, é verdade, mas às vezes nós acrescentamos-lhe dificuldades que ele não tem. Às vezes, os obstáculos não estão no caminho, mas no caminhante. Olha bem. Vê se as pedras que te atrapalham estão à tua frente ou dentro de ti. Não dês guarida aos medos. Vê se há realmente buracos na estrada ou se é a falta de confiança que te faz tropeçar. Vê se realmente tens à frente alguma parede a vedar-te o caminho ou se és tu muro de ti mesmo. Não atravanques o caminho com coisas que o caminho não tem. Olha bem.”

“Cada um carrega a sua cruz. Sim. O extraordinário é haver quem, carregando a sua cruz, consiga ajudar os outros a fazê-lo. O extraordinário é haver quem, com as pernas cansadas, consiga aliviar o caminho dos outros. O extraordinário é haver quem, com as mãos em ferida, consiga suavizar as feridas dos outros. O extraordinário é ver que as pessoas que carregam as cruzes mais pesadas são aquelas com os corações mais leves. Corações tão grandes que neles cabem as palavras de alento e os gestos de incentivo que oferecem a quem precisa. Às vezes penso que o peso da cruz é proporcional ao tamanho do coração. Quanto mais pesada, maior. Abençoados corações.”