Por que nós caímos na dependência emocional?

Somos todos dependentes. Mesmo a partir do momento em que a nossa vida começa. Somos no ventre da nossa mãe, nos nossos primeiros gritos, nas primeiras quedas… Somos na secção prática e na secção emocional. Precisamos de outras pessoas para fazer atividades para nós, ou pelo menos nos dar algumas indicações de como fazê-las. Precisamos dos outros também porque somos seres sociais e… especialmente emocionais. Então, somos necessariamente vítimas de dependência emocional?

Os mecanismos neurológicos envolvidos nas relações amorosas

Os sentimentos amorosos utilizam as mesmas vias neurais que substâncias psicoativas, ativando os sistemas de recompensa do cérebro e criando sintomas de dependência similares. Portanto, apesar do termo “dependência” ser tradicionalmente ligado ao uso de substâncias ou drogas psicoativas, as “dependências de sentimentos” também apresentam etiologia e sintomatologia semelhante à de outras dependências. Neste sentido, a dependência emocional seria caraterizada por comportamentos aditivos que teriam como base os relacionamentos interpessoais. Desta forma, Bornstein e Cecero (2000) propõe que uma relação de dependência pode ser definida por quatro elementos: motivacional, afetivo, comportamental e cognitivo.

O componente motivacional refere-se à necessidade de suporte, orientação e aprovação. O componente afetivo está relacionado à ansiedade sentida pelo indivíduo diante de situações nas quais ele necessita agir independentemente. O componente comportamental refere-se à tendência a procurar ajuda de outros e de submissão em interações interpessoais. E o último componente, o cognitivo, remete à perceção do sujeito como impotente e ineficaz.

Vamos ver um exemplo simples. A Ana está a fazer algumas mudanças na decoração da sua casa e gostaria de trocar uma peça da mobília. Mas a peça é muito pesada para que ela carregue sozinha, então ela precisa da ajuda de alguém. Pode ser a sua própria ajuda, bastaria que para isso ela desenvolvesse uma ferramenta que a ajudasse nesse processo, no entanto, temporariamente, essa solução não é a mais indicada.

O mais indicado é que pessoas mais fortes do que ela o façam por ela. A Ana pensa nos seus filhos, mas acontece que eles não podem porque naquela semana eles estão de férias. Então ela pede ajuda aos seus sobrinhos e esses encantados fazem-lhe o favor. Bem, a Ana é dependente, mas não depende dos seus filhos. Se eles não podem, ela é capaz de procurar ajuda de outra pessoa que possa. Bem, com independência / dependência emocional, a mesma coisa acontece.

Torna-se perigoso quando se fixa numa única pessoa e que assume a responsabilidade do nosso estado emocional.

É perigoso porque nos enfraquece e porque a longo prazo acaba o relacionamento. No entanto, o pior é que, antes que a relação termine, estaremos a nos destruir ao usar todos os tipos de medidas desesperadas para não perder a pessoa em quem depositamos o destino da nossa felicidade.

Os quatro passos da dependência emocional

O caminho da destruição emocional – por dependência emocional – geralmente tem quatro etapas marcadas, as quais começam a diminuir quando o medo da perda aparece. Um medo que na maior parte do tempo é infundado e que contribui precisamente para fortalecer essa dependência.

Se não pude conseguir sentir-me querida e necessária, se te negastes a ter  pena de mim e a cuidar-me por piedade, se nem sequer consegui que me odeies, agora vais ter que notar a minha presença, queiras tu ou não, porque a partir de agora vou tratar de que me temas” 

O primeiro passo consiste, para a pessoa dependente, em tentar tornar-se essencial para a pessoa de quem depende. Ao mostrar-lhe tudo o que ela traz para a sua vida, levantando essas contribuições e enfatizando-as: “Se não fosse por mim…”, “Vamos ver quem ia fazer isso com você assim…”, “Você pode até procurar, mas jamais vai encontrar alguém que faça por você o mesmo que eu faço e como eu faço”.

Também o dependente pode tentar se tornar uma garantia, uma espécie de seguro, “se você me seguir, isso nunca te faltará” e buscarmos  o outro, mesmo que por reciprocidade, para que fique com a gente.

Nós descemos para o segundo passo quando o primeiro não funciona. Além disso, este segundo poderia ser combinado com o primeiro. Nesta etapa, o dependente disfarça-se de vítima e tenta ter a piedade do outro. Na sua vida, as doenças quotidianas tornam-se tragédias reais que tornariam o outro desumano em caso de querer fugir… Precisamente nesses momentos. Além disso, essa é geralmente uma estratégia que o dependente conhece muito bem, já que ele provavelmente a usou em alguma situação antes para reivindicar atenção.

O terceiro e quarto passos são paradigmáticos e com eles a pessoa dependente tenta se proteger do que mais teme, a indiferença. Esses dois passos são intercambiáveis ​​e não necessariamente um é dado antes do outro, ou ambos são dados.

Além disso, os dois aludem às emoções primárias: uma para odiar, outra para o medo. Em face do medo da indiferença, a pessoa dependente pode procurar ser odiada pelo outro. É uma forma de autoengano com o qual se busca sentimentos que são mantidos, laços de conexão, presença na vida do outro … mesmo que esteja criando ódio .

O quarto passo é o da ameaça. “Se acontecer de sair, eu não sei o que posso fazer”, “Se você desaparecer, eu não tenho mais razão para viver”, “Se você decidir ir embora, eu lhe asseguro que você nunca mais vai-me ver”. É o medo da perda que a pessoa dependente tenta infectar no outro. Esse medo é um engano, mas para o dependente pode funcionar perfeitamente como substituto do amor.

A pessoa dependente faz sofrer… e sofre

De uma forma ou de outra, para o dependente, a sua própria dependência costuma ser uma tortura. Se há algo em que o dependente é mesmo vítima é o do fato de ter confiado o seu destino e as suas esperanças a alguém. Isso a força a se sacrificar para que esse alguém não se vá, porque a pessoa realmente sente que, se o outro se for, ela perderá a vida. Muitas de suas frases são manipulações, mas abaixo delas há um sofrimento que é real.

Infelizmente, a dependência emocional é difícil de admitir. Rótulos como os de pouco valor, fraqueza de caráter e até mesmo incapacidade intelectual estão associados a ela. No entanto, identificar essa dependência é o primeiro passo para reconstruir e entender que, embora as nossas necessidades sejam únicas, as pessoas que podem satisfazê-las são várias e também geralmente de maneiras muito diferentes.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s