1965020_662776303805641_3132136019017211359_n
“Há saudades que caminham comigo aconchegadas num lugar gostoso que a memória tem. Sei que estão lá, mesmo quando demoro um bocado de tempo para apreciar as histórias que me contam. São porta-jóias que guardam encantos que não morrem. Caixinhas de música, que, ao serem abertas, derramam melodias que me fazem dançar com elas de novo. São saudades capazes de amenizar o frio de alguns instantes com os seus braços de sol.
São saudades que entornam perfumes que somente a alma reconhece. Que sobrevoam regiões por onde apenas as emoções caminham.”

No Dia Internacional da Felicidade… ◕‿◕

“O Dia Internacional da Felicidade foi instituído em 2012 pela ONU, visando promover a felicidade das pessoas, tendo em conta a importância para o bem-estar das nações. Aproveitando o dia, a consultora de recursos humanos, Jason Associates, disponibilizou um plano de treinos para alcançar a felicidade.
Através do mote “Pessoas felizes fazem mais, melhor e durante mais tempo”, a consultora de recursos humanos criou um conjunto de sete ferramentas utilizadas para o treino da felicidade. Confira!

1. Cultivar o autoconhecimento e não o egocentrismo. Praticar o conhecimento próprio para a compreensão daquilo que se sente perante situações adversas.
2. Lidar com a realidade. Assumir uma posição realista em vez de pessimista.
3. Usar lentes cristalinas (metáfora). Ter a capacidade ver além do óbvio. Será que nos conhecemos tão bem ao ponto de saber o que faz as pessoas realmente felizes tanto na sua vida pessoal como profissional?
4. Não dramatizar. Ou viver a vida sem dramas. Empatizar significa que existe compreensão de pensamentos e emoções das pessoas com que se interage.
5. Agradecer. Agradecer, perdoar e eliminar rancor, parece óbvio, mas é dos treinos mais difíceis. No entanto, é através destas práticas que conseguimos um aumento significativo da Confiança que temos uns com os outros e, posteriormente, na nossa comunicação, sem nada que a dificulte.
6. Fazer parte de algo com significado.
7. Planear. O dia-a-dia é composto por um conjunto de tarefas e objetivos. Dessa forma, planeie de forma consciente e sistemática o seu dia.”

10690025_726876920723922_380743570048191999_n
“O lado de dentro é o único lado certo. Nele cabem todos os mundos existentes e imaginados; nele todos os remendos passam a ser apenas costuras…”

10686925_730865340328606_1849159559446932202_n
“Falta tanta coisa na minha janela como uma praia. Falta tanto tempo no relógio quanto uma semana. Sobra tanta falta de paciência que me desespero. Sobram tantas meias verdades que guardo para mim mesmo. Sobram tantos medos que nem me protejo mais. Sobra tanto espaço dentro do abraço. Falta tanta coisa para dizer que nunca consigo … Sobra Tanta Falta.”

Tempo Certo

402512_490725850967966_1222998843_n
“De uma coisa podemos ter certeza:
de nada adianta querer apressar as coisas;
tudo vem ao seu tempo,
dentro do prazo que lhe foi previsto.
Mas a natureza humana não é muito paciente.
Temos pressa em tudo e aí acontecem
os atropelos do destino,
aquela situação que você mesmo provoca,
por pura ansiedade de não aguardar o tempo certo.
Mas alguém poderia dizer:
Qual é esse tempo certo?

Bom, basta observar os sinais.
Quando alguma coisa está para acontecer
ou chegar até sua vida,
pequenas manifestações do cotidiano
enviarão sinais indicando o caminho certo.
Pode ser a palavra de um amigo,
um texto lido, uma observação qualquer.
Mas, com certeza, o sincronismo se encarregará
de colocar você no lugar certo,
na hora certa, no momento certo,
diante da situação ou da pessoa certa.

Basta você acreditar que nada acontece por acaso.
Talvez seja por isso que você esteja
agora lendo estas linhas.
Tente observar melhor o que está a sua volta.
Com certeza alguns desses sinais
já estão por perto e você nem os notou ainda.
Lembre-se, que o universo sempre
conspira a seu favor quando você possui um
objetivo claro e uma disponibilidade de crescimento.”

É ou seria amar-te assim perdidamente?

É amar-te assim perdidamente

Ele vestiu os seus jeans favoritos com a primeira t-shirt que lhe apareceu. Ia só beber uma cerveja com um amigo de longa data. Divertidos e sorridentes, desceram a rua em direcção à esplanada.

Ainda não existiam smartphones.

Ela passou como andava sempre.

Costas direitas, apreciando tudo. Viu-os e parou. Cumprimentou o amigo e apresentou-se a ele. Não os largou mais naquela tarde solarenga.

A ele não o largou nessa tarde, nem na seguinte. Nem nas tardes de chuva. Em nenhuma. Até hoje.

Anos depois, brinda, apaixonada, ao amor.

“Estavas com essa t-shirt quando te vi pela primeira vez”, confessa-lhe ela segundos antes de ele lhe esbugalhar os olhos de admiração. “Sim, vestias também uns jeans claros e largos”, continuou, de olhar embevecido. E ele petrificado. E estupefacto. E de olhar esbugalhado. E de boca semiaberta por tamanha recordação. “Já me tinham falado de ti e quando te vi descer aquela rua pensei ‘Ena, que giro que é!’”.

Beijam-se apaixonadamente.

Casam na primavera.

Seria amar-te assim perdidamente

Ele vestiu os seus jeans favoritos com a primeira t-shirt que lhe apareceu. Ia só beber uma cerveja com um amigo de longa data. Divertidos e sorridentes, desceram a rua em direcção à esplanada.

Já existiam smartphones.

Ela passou como andava sempre.

Corcunda, com o telemóvel constantemente na mão, a vibrar, de minuto a minuto, com a mensagem da Telepizza, com o update do status no perfil de facebook do ex-namorado, com a newsletter da Groupon com descontos em conjuntos de panelas, com a vigésima sétima identificação em fotografias de gatos cintilantes a desejar “bom dia”, com o centésimo quinquagésimo sexto convite para jogar FarmVille.

Não o viu. Nem a ele, nem ao amigo.

E seguiu na sua habitual coscuvilhice e ilusória vida de likes, de fotografia em fotografia, dos rapazes adicionados na noite anterior.

Anos depois, brinda, de chá quente na mão, sozinha, enterrada no sofá, ao amor.

Sem discurso.

Nem beijos.

Mesmo quando anda de mão dada na rua com um rapaz, continua solteira. Dentro do coração.

Já se cruzou com o grande amor da vida dela, ele, mas não desgrudou os olhos do smartphone para o ver.”